A Pedra da Gávea é um lugar fascinante! Com quase 850 metros de altitude,  é o maior bloco monolítico à beira mar do mundo. A trilha para chegar lá em cima não é nada simples, há alguns trechos bem difíceis e até perigosos. É preciso muito preparo físico para encarar as horas de subida, mas um visual único compensa todo o esforço. Sem falar naquela sensação boa de superação… A trilha da Pedra da Gávea é uma das experiências mais incríveis que eu vivi no Rio!

Já fazia bastante tempo que eu queria chegar no topo da Pedra da Gávea. Sempre gostei de trilhas e essa é conhecida por ser a mais difícil do Rio, sendo constantemente assunto da galera trilheira. Além de ser o cenário de fotos lindíssimas que eu acompanhava nas redes sociais de amigos aventureiros. Quando chegou o último trimestre de 2017, decidi que o desafio seria cumprido antes do próximo ano. Assim, juntei um grupo e chamei o guia de trilhas em quem eu mais confio, o Moisés Miranda do Paraíso Radical RJ. Algo determinante para subir a Pedra da Gávea é a condição climática, já que não teria graça chegar lá em cima e não conseguir apreciar a linda vista… Nós demos bastante sorte, pois o dia da trilha amanheceu com um límpido céu azul!

Eu tinha bastante medo de altura até pouco tempo atrás, mas venho ficando cada vez mais tranquila em relação a isso. Porém, não cogito fazer algo que apresente algum perigo! Por essa razão, nunca pensei em fazer a trilha da Pedra da Gávea sem guia. Se eu precisasse dar apenas um conselho sobre a Pedra da Gávea, seria: “não vá sem guia“. Vou explicar o porquê… Existem duas vias para chegar lá em cima, uma delas passa pela temida Carrasqueira – um paredão de 30 metros onde é preciso fazer uma escalada de primeiro grau (isso é, existem fendas visíveis em toda a extensão). A outra via é chamada de Pico dos 4, e no seu caminho está um grande atrativo da Pedra da Gávea: o mirante da Garganta do Céu.

Logo quando chegamos nessa primeira parada, a Garganta do Céu, uma nuvem enorme encobriu quase totalmente a vista. Mas bastou aguardar alguns minutos e tivemos boa visibilidade. O lugar é muito impressionante! As fotos não conseguem traduzir a beleza… Minha impressão foi que parecia uma caverna com um visual surreal do Rio – é possível enxergar quase toda a zona sul de cima! Ficamos lá por mais de 30 minutos, para admirar a vista, tirar fotos e também descansar. A Garganta do Céu fica mais ou menos na metade do caminho até o pico da Pedra da Gávea, e é logo depois que inicia a parte mais difícil da trilha. Um trecho extremamente íngreme é a próxima etapa. Lá existiam cabos de aço para apoiar a subida, porém eles foram retirados há alguns meses. Então esse foi o primeiro trecho que realizamos com corda. O que isso quer dizer? Que nossos guias levaram todo o equipamento de segurança, eles fixaram cordas nos trechos muito inclinados e cada pessoa foi equipada com uma cadeirinha (que fica presa nas pernas e cintura).

Nessas subidas com corda, sempre há duas cordas – uma fica presa na cadeirinha e a outra é usada para fazer a subida. Ou seja, mesmo que por algum motivo você solte a corda principal, não existe risco de cair. Acho que assim fica claro a importância do guia: fazer a trilha da Pedra da Gávea pela Carrasqueira exige escalada junto a um precipício; Pelo Pico dos 4 há trechos tão íngremes que não podem ser feitos sem equipamento de segurança. Na trilha da Pedra da Gávea já aconteceram diversos acidentes, alguns fatais. Mas, no dia em que estive lá, não senti receio em momento algum, foi uma aventura absolutamente segura! No nosso grupo, havia apenas mulheres que nunca tinham feito essa trilha e o nosso objetivo era ir num ritmo tranquilo. Como eram sete pessoas e nos trechos com corda é preciso ir apenas uma por vez, nós demoramos quase 4 horas para chegar lá em cima (incluindo o tempo de parada na Garganta do Céu). Mas, pode-se dizer que o tempo médio de subida da Pedra da Gávea é 2 horas e meia.

Chegar no cume da Pedra da Gávea é algo indescritível… Não há palavras que possam expressar a sensação! Eu não conseguia parar de pensar “meu Deus, olha o lugar onde estou!!!”. A vista é absurda, fantástica, sensacional, maravilhosa e todos os outros adjetivos desse tipo. Mas ainda é muito mais do que isso. O fato de a trilha ser muito difícil acrescenta um sentimento enorme de superação. E o platô é gigante, tem muito espaço para todos os lados. Dá vontade de ficar por várias horas lá em cima! E também senti vontade de já programar uma próxima ida, além de ter me arrependido de não ter ido antes, rs. Enfim, é um mix de emoções… Só sei que vale demais!!!

Depois de ficar em torno de uma hora no pico da Pedra da Gávea, iniciamos nossa descida. Como éramos um grupo e todas faziam essa trilha pela primeira vez, nossos guias optaram por ficarmos apenas na parte principal. Isso porque a Pedra da Gávea é muito grande e existem diversos pontos diferentes para conhecer – mais um motivo para voltar em breve! Na descida, nós fomos pela via da Carrasqueira. Mas não enfrentamos a escalada, e sim descemos com corda (quase igual a rapel). Novamente, com toda a segurança! Eu adorei esse último trecho com corda, pois tem vista para a Pedra Bonita. Confesso que depois disso eu imaginava que a trilha estava perto de acabar… Mas não estava, rs. Ainda foi bastante tempo de caminhada até terminarmos! Importante dizer que em diversos trechos há bifurcações. Existe sinalização na trilha, mas não está em bom estado, o que pode confundir pessoas que não conhecem o local.

A Pedra da Gávea é um grande desafio! Foi incrível ter vivido essa experiência, me senti muito feliz, muito viva e orgulhosa de mim… Mas é realmente exaustivo, saí de lá morta, rs. E isso que tenho bom condicionamento físico, sou corredora amadora desde os 16 anos e faço trilhas com bastante frequência, já fiz até a trilha Salkantay (no Peru, com duração de 5 dias). Mas, para fazer a trilha da Pedra da Gávea, é preciso ter muita cautela. Não escolha essa para ser a sua primeira trilha, faça todas as outras que puder antes. Não vá se não estiver se sentindo 100% de saúde, nem se tiver bebido álcool no dia anterior. Leve mais comida e mais água do que você acha que vai precisar. Use uma roupa que possa sujar muito, há trechos nos quais o corpo todo fica em contato com a terra. Use um calçado adequado, uma boa bota de trilha faz toda a diferença. Leve repelente, protetor solar, boné e álcool gel (as mãos também ficam muito sujas de terra). E, mais uma vez, contrate um guia – nunca arrisque sua segurança!

Nosso grupo de sete pessoas contou com os guias Moisés e Daniel, do Paraíso Radical RJ, profissionais excelentes, muito atenciosos, experientes e pacientes. Além disso, no início da trilha encontramos o meu amigo Thiago, fundador do site Trilhando Montanhas e especialista na Pedra da Gávea (nesse dia ele estava fazendo a trilha pela 43ₐ vez!), que ficou com a gente durante todo o tempo e nos deu um apoio extra. Graças a eles, nós fizemos a trilha da Pedra da Gávea com tranquilidade!

  • Conheça o Rapel na Pedra do Pontal, experiência do Vida Carioca + Airbnb, também realizada com o guia Moisés do Paraíso Radical RJ. É uma aventura que vale tanto para iniciantes como para pessoas experientes.
  • Quer saber mais sobre a Pedra da Gávea? Leia esse post bem detalhado do Trilhando Montanhas. Acompanhe o perfil do instagram @pedradagavea, administrado pela Vivian Telles, aventureira super inspiradora.
  • Se você curte trilhas e aventuras, invista em uma boa bota de trilha, vale a pena. Eu uso a Bota Ecosafety modelo PS-157 e gosto muito. Ela custa R$ 119 no site das Botas Ecosafety e com o código “VIDACARIOCA” você ganha 20% de desconto.

6 comentários

  1. Excelente relato, Ju! É sempre um prazer quase indescritível fazer essa trilha. Só quem faz consegue entender tudo isso que você escreveu. Espero subir outras vezes com você. Forte abraço!

    • Que bom que gostou do relato, Thiago! Obrigada!! Valeu pela parceria nesse dia, foi muito bom contar com vc! Vamos subir de novo, com certeza!

  2. Que relato incrível, Ju! Muito legal as informações passadas com relação a segurança, muita gente acha que é brincadeira, mas não é, existem muitos relatos de acidentes na montanha, isso porque cada vez mais pessoas sem o mínimo de conhecimento, preparo físico e orientações tentam alcançar o cume. Parabéns… e ainda vou fazer essa trilha com você! 😉

    • Obrigada, Vivi! Fico muito feliz que vc tenha gostado do relato. Vc é uma inspiração pra mim, grande incentivadora de aventuras no Rio! Vamos subir a Gávea juntas, com certeza! 🙂

  3. Faço das suas as minhas palavras: “A Pedra da Gávea é um grande desafio! Foi incrível ter vivido essa experiência, me senti muito feliz, muito viva e orgulhosa de mim.” Sensação de dia bem vivido! a indicação sua que reforço é levar muita água e toalhinha de rosto para enxugar o suor. A roupa que usei na trilha tive que jogar fora. Eu levaria tb lencinhos umedecidos para limpar as mãos que ficam uma sujeira só. A gente fica mais parecendo o próprio Rambo! Obrigada ao vida Carioca pelo convite inesquecível e pelo apoio do Thiago e do Paraíso Radical RJ. Louca pra voltar!

    • Realmente foi um dia muito intenso e inesquecível! Adorei suas observações, toalhinha e lenços umedecidos realmente são bem úteis. Obrigada pela parceria nessa aventura, Carol!!

Escrever um comentário